20 de fevereiro de 2014

Fertilização do eucalipto

Que adubos utilizar, quanto, quando, de que modo aplicar e se vale a pena fertilizar  as plantações de eucalipto, são as questões mais frequentes da grande maioria dos produtores florestais.

Não existem dúvidas sobre a importância de uma boa fertilização para o sucesso das plantações e para a garantia da produção lenhosa e rentabilidade do investimento. As respostas às questões referidas, dependem do caso concreto, do potencial do material genético, das condições de solo e clima, da disponibilidade de água no período de crescimento e da gestão da plantação, nomeadamente no que respeita ao controle de infestantes.

Uma abordagem expedita que a Altri Florestal utiliza é a que consta no folheto de Fertilização que pode descarregar neste blogue. Usamos também um modelo de apoio à fertilização, que considera o balanço de nutrientes, ou seja a diferença entre o que o povoamento necessita ao longo da sua vida, considerando a reciclagem,  e a quantidade que o solo teoricamente tem capacidade para fornecer.

A tabela seguinte serve de orientação à recomendação de fertilização para os primeiros 4-5anos anos da plantação de eucalipto, mas deve ser utilizada com a informação de análise de solos e monitorização do desenvolvimento da plantação:

Volume
(m3/ha)
Adubação a repartir em várias aplicações
N
P2O5
K2O
B
(kg/ha)
120
60
60
50
2,8
180
80
60
60
3,5
240
100
75
75
4

Adubação de instalação (à plantação, de fundo)
 A adubação de instalação é essencialmente à base de fósforo, sendo menos rica em azoto, podendo optar-se por:
1)  Adubo de libertação lenta (30g/planta) no fundo da cova e Superfosfato 18% (150 a 200g/planta) em duas covas laterais.
2)  Adubo NPK tradicional, 1:3:1 ou 1:5:1 (150 a 200g/planta), em duas covas laterais, no momento da plantação ou uma semana após a plantação. Com esta adubação deve ser dada atenção à distância de colocação do adubo, que deve ser enterrado e distante cerca de 20cm da planta para que esta não sofra o risco de queima.
3) Combinação entre (1) e (2): adubo de libertação lenta (15 g), com a colocação à plantação, e adubo tradicional (150 g), algumas semanas depois, quando o período de plantação é muito reduzido.

Adubação de cobertura
Efetuada entre o 1º e 2º ano com adubo azotado, podendo também conter P2O5, K2O e B (150 a 200 kg de adubo tipo 20 unidades de N; 0 unidades de P2O5; e 0 unidades de K2O ou 20N; 10 P2O5 ,10 K2O com ou sem boro, ou similares). A aplicação deve ser na projeção da copa e incorporado no solo, por exemplo com uma gradagem posterior à adubação.

Entre o 3º e 5º ano, em geral é feita uma adubação com adubo azotado (por exemplo N22%), 180 a 250 kg/ha, contendo 1% de boro. A aplicação deve ser a lanço e incorporado no solo. Em solos mais pobres, esta adubação deverá ser repetida ao 7º ou 8º ano.

Os adubos, em geral fornecem cálcio e enxofre, elementos também muito importantes para o bom desenvolvimento das plantas.

Adubação da talhadia
Como o sistema radicular já instalado, a adubação é essencialmente à base de azoto, podendo adicionar-se outros nutrientes, tais como o boro. As quantidades a aplicar são semelhantes à 1ª rotação, sendo a 1ª adubação efetuada  em geral antes da  seleção de varas de modo a promover um bom desenvolvimento das toiças.

A importância da adubação de instalação é ilustrada pelas fotografias aqui apresentadas, tiradas em duas fases de desenvolvimento do povoamento, localizado numa região com precipitação média de cerca de 1900mm e com solo profundo e rico em matéria orgânica.



Fotografia 1 – Plantação com 3 meses de idade.   A linha do meio não foi adubada 
Fotografia 2 - As mesmas linhas de plantação da Fotografia 1, ao 3º ano


 Fotografia  da esquerda sem adubação à plantação, apresentando deficiências nutritivas e fraco crescimento; fotografia da direira- plantas adubadas à plantação, apresentando-se com vigor e excelente crescimento.

Após 3 anos de idade,  as plantas não recuperaram da falta de adubação tendo ficado dominadas, com sinais evidentes de deficiência de nutrientes e da competição exercida pelas plantas adubadas.

Assim, podemos concluir, que mesmo em solos ricos em matéria orgânica, a adubação de fundo, à plantação, é essencial para o desenvolvimento homogéneo e equilibrado das plantações de eucalipto, não só por impulsionar o crescimento inicial das raízes, fundamental para a colonização do solo e assim aproveitar melhor os recursos de água e nutrientes, como também contribui para o desenvolvimento de folhas que captam a fonte de energia para produção. Uma boa adubação tem ainda o efeito de aumentar a sobrevivência das jovens plantas, contribuindo para a homogeneidade do povoamento e domínio das infestantes. 

De facto, um outro fator muito importante a considerar, é o controlo das ervas daninhas durante pelo menos o primeiro ano de vida do povoamento.  

A fertilização com os nutrientes adequados tem também efeito benéfico contra pragas, doenças e stresse abiótico, como secura e frio.


22 comentários:

  1. Boa tarde!

    Tenho uma dúvida:

    As duas covas laterais onde se enterra o fósforo têm que ser fundas? Não bastará lançar o adubo para a vala e tapar com a terra do cômoro, em terreno ripado?

    Como costumam, na prática, efectuar esta operação (ferramenta utilizada e método)?

    Antecipadamente agradecido pela atenção dispensada.

    Cumprimentos!

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde
    O fósforo deve ser colocado o mais próximo possivel da zona onde as raízes se vão desenvolver. Nós costumamos utilizar o tubo de plantação e colocar a cerca de 20cm.
    Cumprimentos
    Clara Araújo

    ResponderEliminar
  3. Esclarecido!
    Muito obrigado!
    Cumprimentos!

    ResponderEliminar
  4. Antes de mais, parabéns pelo vosso blog e pela interessante informação que partilham com os leitores.
    Há uma questão que gostaria de ver esclarecida, se possível: quando referem a adubação à instalação com adubo tradicional NPK 1:3:1 ou 1:5:1, gostaria da saber se existem no mercado adubos comerciais com estas formulações ou se são fabricados especificamente para o grupo Altri pela Adubos de Portugal ou por outro qualquer fabricante.
    Grato pela atenção

    José

    ResponderEliminar
  5. Boa noite
    Obrigada pelo comentário e interesse nonosso blog. Relativamente aos adubos, o 1:3:1, é em geral o 7:21:7, e existe no mercado. O 1:5:1, não existe no mercado nacional, foi fabricado a pedido da Altri Florestal. Alguma questão adicional, não hesite em contactar.
    Com os melhores cumprimentos

    Clara Araújo

    ResponderEliminar
  6. Muito obrigado pela atenção e pela informação que amavelmente disponibilizou. O 7:21:7 não encontrei, mas a ADP tem disponível o 8:24:8, que presumo que terá um efeito semelhante.
    Cumprimentos cordiais

    José Ruivo

    ResponderEliminar
  7. Boa Tarde,

    Já alguma vez consideraram a aplicação de Lama de ETAR para fertilização do eucalipto?

    Cps
    A. Neves

    ResponderEliminar
  8. qual a formula para uma floresta de citriodora de troncos finos

    ResponderEliminar
  9. Resposta ao A. Neves: Sim, temos aplicado lamas de ETAR em algumas situações experimentais. Prevemos alargar estas experiências em breve, com o apoio de uma empresa especializada para o efeito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pela resposta! representado uma empresa especializada para o efeito, gostaria de questionar se os resultados obtidos têm correspondido às espetativas e qual a fertilização recomendada que têm aplicado!

      Obrigada,
      Ao dispor
      A. Neves

      Eliminar
    2. Boas Anita.
      Representas uma empresa vocacionada para fertilizaçao?
      Fala-me no facebokas por msg.
      Alex Dlavega ou Ricardo Sousa.
      Obgd

      Eliminar
  10. Não tenho nenhuma formula específica para Eucalyptus citriodora, que não é uma espécie para produção lenhosa.
    No entanto, se seguir as orientações genéricas de adubação, é provável que obtenha um bom resultado.

    ResponderEliminar
  11. Pedro
    Boa tarde.
    Com uma adubação na plantação e depois anual, qual a média da idade para realizar o corte?

    ResponderEliminar
  12. Boa tarde,

    Na plantação de eucaliptos para além da adubação de fundo com Agroblen 09-20-08+0.1%B+3%Mg, a aplicação de 200gr/planta lateralmente de ADUBO COMPLEXO NPK (S)
    com Zinco (Zn)
    10-20-6 (11)de designação comercial AMICOTE CV 50 10-20-6 é uma boa opção? A razão reside no facto de não encontrar no mercado NPK 5:30:5 e as quantidades em causa não justificar uma encomenda específica.
    Caso entenda não ser uma boa opção, pedia-lhe o favor de indicar um adubo que substitua com eficácia o NPK 5:30:5 e que se encontre com facilidade no mercado.

    Desde já agradecido pela ajuda,

    Melhores cumprimentos
    Manuel Pereira

    ResponderEliminar
  13. Bom dia,
    Pode optar por um adubo 1:3:1, tipo 7:21:21 ou 8:24:8
    cumprimentos

    Clara Araújo

    ResponderEliminar
  14. Bom dia, antes demais parabéns pela partilha e esclarecimentos desta temática,
    a minha questão é a seguinte,
    fiz uma plantação de eucaliptos há cerca de um ano e eles de uns tempos para cá encheram-se de piolho e põe consequência estão a meu ver a secar o que devo fazer?
    7

    ResponderEliminar
  15. Boa Tarde,

    Muitos parabéns pelo vosso blog.
    Vou fazer uma plantação de eucaliptos nitens e tenho consultado o vosso blog tendo em vista a obtenção de informação. Neste âmbito tomo a liberdade de vos colocar algumas questões: Qual o tipo de adubo e designação comercial que devo utilizar no momento da plantação.
    Sendo um local com geadas fracas poderei optar pelo globulus?

    Agradeço antecipadamente a atenção que me venham a dispensar.
    Com os melhores cumprimentos
    Jorge

    ResponderEliminar
  16. Boa tarde

    Obrigada pelo seu interesse
    Onde se situa a área a plantar?
    Em termos de adubação em geral utilizamos um adubo de libertação controlada no fundo da cova e superfosfato 18% ou adubo NPK (1:3:1) em duas covas laterais a cerca de 20c da planta e enterrado.
    Pode contactar-me para o escritório da Altri Florestal que terei todo o gosto em dar mais informação

    Com os melhores cumprimentos

    Clara Araújo

    ResponderEliminar
  17. Boa tarde Sra Eng. Clara Araújo,

    Muito grato pela disponibilidade manifestada. Brevemente tomarei a liberdade de a contactar.
    Agradeço uma vez mais a atenção que me dispensou.

    Com os melhores cumprimentos,
    Jorge Gomes

    ResponderEliminar
  18. Boa noite.
    Sou proprietário de alguns ha de eucaliptos na zona centro e a grande maioria em 2a-3a rotação, que apenas foram adubados na plantação.
    Os terrenos não são maus "criadores" mas queria melhorar a rentabilidade das plantações.
    Neste caso, e com uma média de idade de 4-5 anos após o corte, qual o adubo recomendado e a sua aplicação!?
    Obrigado, Tiago Cruz

    ResponderEliminar
  19. Boa tarde, Sr. Tiago Cruz
    Agradecemos o seu interesse.
    Genericamente, e sem ver o estado do povoamento, poderá aplicar um adubo completo, de modo a pelo menos repor alguns nutrientes removidos através dos cortes já efetuados. Poderá seguir a nossa recomendação que está disponível no blog. Poderá também contactar-nos explicando melhor a situação.
    Com os melhores cumprimentos
    Clara Araújo

    ResponderEliminar
  20. Boa noite.
    Sou proprietário de uns terrenos de eucaliptos e tenho andado a fazer adubações com ureia 46% mas ouvi dizer que o nitrolusal 20.5 é melhor.
    Gostava de saber na vossa opinião e experiência qual é o melhor para fazer adubações.
    Os terrenos são de areia e tem 5.3 e 5.1 de acidez.
    Comprimentos:
    Tiago Silva

    ResponderEliminar