28 de janeiro de 2014

Projetos de (re) arborização

1º pedido de autorização- projeto aprovado!

Depois de um período de adaptação ao novo processo, que envolveu visitas de campo, reuniões e diversos contactos com colegas do ICNF e de outras empresas, foi com muita satisfação que recebemos hoje a aprovação do primeiro projeto submetido ao ICNF, segundo o novo enquadramento legislativo. Queremos deixar aqui o nosso testemunho e agradecer a disponibilidade dos colegas do ICNF para o esclarecimento de dúvidas e apoio no preenchimento dos formulários. 

Do ponto de vista do investidor e técnico responsável, elegemos os seguintes aspetos positivos do novo processo de submissão de projetos:
  •  Construção do projeto segundo um modelo pré-definido, permite objetivar as ações e seguir os requisitos legais a obedecer.
  • A informatização e a apresentação on-line do projeto e respetivas peças gráficas, permitem a entrega a qualquer hora e dia, poupando tempo aos interessados. Ao mesmo tempo, esta possibilidade não impede o contacto com os técnicos responsáveis do ICNF e o esclarecimento de dúvidas.
  • A plataforma on-line permite fazer o seguimento e informa sobre o número do processo.

Este novo processo de submissão de projetos, tem ainda o aspeto positivo de permitir o tratamento atempado da informação pela entidade responsável (ICNF), que a disponibiliza em forma de indicadores que informam sobre a cultura, dimensão e regiões de possíveis investimentos em plantações florestais.
O primeiro relatório está disponível no sitio do ICNF:  http://www.icnf.pt/portal/florestas/arboriz/princip-indic
e uma sintese dos resultados foi publicada no jornal Público do dia 25 de Janeiro " Os primeiros meses da nova lei".

O contributo da Altri Florestal para os indicadores dos projetos submetidos ao ICNF, entre 17 de Outubro e 31 de Dezembro, em termos de número de pedidos de autorização representou cerca de 8% mas no que respeita a área de ações de (re) arborização, representou cerca de 25%.  




8 comentários:

  1. Parabéns à equipa!!

    C. Neves

    ResponderEliminar
  2. Olá! Gostaria de saber, se o eucalipto nitens, tem o mesmo plano cultural que o globulus.
    Obrigada!

    ResponderEliminar
  3. Olá.

    O modelo de silvicultura é muito parecido, no entanto tem algumas particularidades:

    A espécie suporte densidades à plantação superiores em 10-20% quando comparado com o globulus.
    Após corte, as toiças têm uma rebentação menos vigorosa, pelo que se recomenda cortar os povoamentos na primavera, para evitar uma elevada mortalidade das toiças.
    Sendo mais "ramalhuda", convém podar as árvores ao 2º ou 3º ano, se houver muitos ramos fortes na parte baixa do tronco.
    Provocando maior ensombramento no interior do povoamento, este precisa de menos intervenções no controlo do subbosque.
    Para garantir o potencial produtivo, é muito importante fertilizar o povoamento 2 - 3 vezes por rotação.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!
      Muito obrigada pela rápida resposta!
      Fiquei com algumas dúvidas?
      - Qual a densidade mais adequada?
      - Qual a preparação do terreno mais adequada (aqui usam muito as giratórias, pois enterram os matos e depois fazem plantações à cova) ou então utilizam os tractores agricolas para lavrar os terrenos.
      - Qual o adubo aconselhado na plantação e depois ao longo do tempo.
      - Também pode ir até 3 rotações? (Qual o tempo?) no globulus utiliza-se os 12 anos.
      - Qual a percentagem de perdas que podem ocorrer para se efectuar a retancha? (10%, 20%).
      Mais uma vez muito obrigada pelos esclarecimentos!

      Eliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Caros,

    Algumas das perguntas encontram respostas em diversos posts já colocados, por isso vou responder de forma sucinta:

    As densidades variam entre 900-1500 árvores por hectare, nomeadamente em função da disponibilidade hídrica estival: quanto menos stress hídrico no verão, maior a densidade

    Deve ser evitada a preparação "à cava", com giratória e balde. A estrutura do solo fica muito alterada e em condições de maior declive não oferece proteção contro erosão. A técnica recomendada é destroçamento de toiças com uma alfaia tipo "enxó", gradagem para incorporação dos resíduos de corte, cepos e vegetação no solo e ripagem em curva de nível. Conforme a maior dureza ou compactação do solo, recomenda-se uma ripagem com três dentes.

    Para as recomendações de adubação, veja o post colocado no dia 20 de fevereiro 2014.

    Os povoamentos de eucalipto suportam vários cortes, cujo número depende da mortalidade de toiças verificada, mas em condições normais pode ir a três cortes ou mais. É importante que o povoamento seja adubado regularmente, para manter a fertilidade do solo e, consequentemente, a taxa de crescimento. Recomenda-se cortar o povoamento entre os 10 e 12 anos de idade de rotação.

    Retanchas não são recomendáveis para mortalidades inferiores a 5%.

    Um abraço,

    Henk Feith

    ResponderEliminar