13 de abril de 2013

Produzir é preciso - editorial newsletter Floresta Altri


Para obter a newsletter clique aqui
Portugal  atravessa um período de grande recessão económica e encontra-se no meio de uma crise que ultrapassa a dimensão do nosso país. As notícias socio-económicas falam-nos de falências, desemprego e quebras bruscas no poder de compra dos cidadãos.

Se há consenso, é sobre a necessidade imperiosa de aumentar a produtividade da economia Portuguesa, de re-equilibrar a balança comercial com o exterior e de criar valor a partir de recursos naturais endógenos ao nosso dispor.

A fileira de pasta e papel encaixa na perfeição nesta necessidade. Temos em Portugal espaços florestais abundantes para produzir a matéria prima para a indústria, temos produtores florestais disponíveis para investir na produção e proteção florestal, temos centros de investigação capacitados para encontrar soluções para os desafios que a floresta nos coloca, temos unidades fabris das mais competitivas do mundo e temos um produto de excelência, procurado pelos lideres mundiais dos sectores de papel de escrita e “tissue”.

A fileira Portuguesa de pasta e papel tem margem para crescer, para produzir e vender mais, para aumentar a sua criação de riqueza. No entanto, é do lado da oferta da matéria prima da indústria que encontramos o principal entrave ao crescimento da fileira. É urgente olhar para a produção florestal nacional e para as formas de a aumentar.

O dados do VI Inventário Florestal Nacional revelam um crescimento modesto da área de eucalipto em Portugal.  No entanto, a sua produtividade é bastante inferior à que potencialmente poderia ocorrer. O eucaliptal Português encontra-se envelhecido, mal ordenado e subaproveitado. As densidades são baixas e por consequência as produtividades também.

As reflorestações são não só urgentes como possíveis. As pragas e doenças obrigam a explorar novos materiais genéticos que começam a estar disponíveis. Temos os agentes da fileira disponíveis para investir ou para apoiar quem quer investir. Portugal tem condições para produzir muito mais e pode reduzir em muito a necessidade da indústria de complementar a oferta nacional de madeira com madeira importada.

A renovação do eucaliptal Português merece ser um desígnio nacional. É uma oportunidade de modernizar os sistemas florestais, de adequá-los às exigências do futuro, não só em termos de produtividade mas também em termos de sustentabilidade social e ambiental, com fomento de emprego e de promoção da biodiversidade, permitindo a sua valorização através da certificação florestal. Apesar da área certificada ter vindo a aumentar, o seu crescimento está muito aquém do desejável, pelo que deve ser uma aposta de todos os agentes. Há dificuldades crescentes de colocação da pasta não certificada o que pode perigar a competitividade da nossa fileira

O licenciamento das florestações conta atualmente com o envolvimento de diversas entidades públicas, em vez de estar nas mãos da única autoridade nacional vocacionada para o efeito, o ICNF. O proprietário florestal que procura cumprir a legislação em vigor, sujeita-se a um processo demorado e incompreensivelmente complexo. Este processo constitui um obstáculo considerável ao investimento e à renovação e modernização do eucaliptal Português e necessita urgentemente de ser simplificado.

A produtividade do eucaliptal não se resolve só com a sua renovação. É fundamental unir esforços no controlo das ameaças como os fogos florestais e atualmente a principal praga, o gorgulho do eucalipto. Mas também a realização das medidas silvícolas como fertilizações, controlo de infestantes e seleção de varas são fundamentais para aumentar a produção e rentabilidade. Se juntarmos a esses esforços um crescimento responsável da área de eucalipto em Portugal, a nossa indústria de pasta e papel pode continuar a contribuir para a riqueza e crescimento económico durante largas décadas.

A fileira de pasta e papel pode e deve desempenhar um papel essencial na recuperação da economia e do bem-estar das empresas e famílias Portuguesas.

1 comentário:

  1. Caro Henk,

    concordo com a maior parte das coisas que tu escreves-te neste post, onde muitas delas já são ideias antigas, o que me preocupa...
    Eu sou da opinião, provavelmente, contrária a muitos e porventura dentro da fileira, que antes de aumentos de área, deveríamos rearborizar o eucaliptal existente, porque como tu o disses e bem, é velho, abandonado e desordenado ( e temos 600mil de privados dos anos70-80) que urge o recuperar para o bem de todos os interessados. Mais, essas propriedades deveriam ser reinstaladas de novo, pensadas para a mecanização tanto da manutenção como da exploração florestal, com consequentes diminuições dos custos e já agora dos acidentes de trabalho.
    Deveriamos também melhorar o parque de maquinaria florestal da exploração, de modo a aumentar a produtividade das máquinas para beneficio de todos. Ou seja, é necessário industrializar a floresta, que juntamente com a certificação são dois caminhos que a floresta de eucalipto terá que forçosamente ir.

    Saudações,

    Paulo Maio

    ResponderEliminar