15 de julho de 2012

A insustentável leveza de ser ... montado

O montado é por muitos considerado sinónimo de sustentabilidade. As imagens são conhecidas, mesmo para quem nunca saiu de Lisboa. Vejam, um exemplo de um montado de azinho a sul de Monforte:


Está lá tudo, o coberto arbóreo esparso, a vegetação herbácea já seca, as vistas, a beleza cénica. Sim senhor, rico montado.

Acontece que, do outro lado do caminho florestal que se vê do lado direito da foto, há um eucaliptal nosso. Não é grande coisa, admito, mas tem dado o seu rendimento de dez em dez anos (não convém cortar mais tarde nesta zona), já por quatro vezes, com uma regularidade surpreendente.
Curiosamente, a azinheira tem convivido bem com os nossos eucaliptos. Os exemplares adultos dispersos têm se aguentado muito bem e têm assistido a uma regeneração natural bastante abundante em seu redor. As fotos seguintes mostram-no bem:



Se abstrairmo-nos um pouco da romântica e dos preconceitos e perguntamo-nos onde é que é mais provável encontrarmos azinheiras daqui a, vá lá, 50 anos, qual será a resposta?

Eu não sei qual a vossa opinião, mas a minha aposta vai para o atual eucaliptal, onde verificamos uma regeneração abundante, ao contrário do montado na primeira foto. Para mim, daqui a 50 anos, o montado terá passado para uma pastagem estepária com, se calhar, umas poucas azinheiras envelhecidas que aguentaram os anos, sem qualquer recrutamento em seu redor, enquanto o povoamento de eucalipto terá evoluído para um povoamento misto de eucalipto com azinheiras de todas as classes de idade. Qual sustentabilidade do montado ...

2 comentários:

  1. Muito bem Henk.

    Por isso a insistência na gestão responsável dos montados.

    Existem muitas áreas que mesmo com exclusão total de pastoreio já não reverterão para montado...

    Apenas com muito restauro assistido...

    ResponderEliminar
  2. Na minha zona também existem algumas manchas de eucalipto e verifica-se precisamente a mesma coisa...se calhar o eucalipto não é tão mau como o pintam!

    ResponderEliminar