30 de março de 2012

Ribeira de Alferreira

As ribeiras a sul do tejo sempre nos reservaram algumas surpresas, quando as visitamos.
Para não fugir à regra fomos visitar uma das mais relevantes, em termos de área de influência dos povoamentos sob gestão da Altri Florestal - A ribeira de Alferreira, nos concelhos de Nisa e Gavião.


Esta ribeira surpreende qualquer visitante, numa primeira impressão, devido ao relativo isolamento às populações mais próximas e consequentemente das fontes de poluição fluvial.


Desta vez, a nossa visita focou-se na verificação do potencial para a presença de valores de fauna piscicola. No entanto quando a percorremos de montante para jusante saltou à vista a diversidade e excelente estado de conservação da galeria rípicola (amieiros, freixos, pilriteiros) bem como da vegetação presente nas encostas mais escarpadas (azinhal).


Voltando aos peixes, foi também muito impressionante verificar a diversidade e quantidade presente, bem como as várias classes de idade de bogas, escalos e góbios.


O dia não deu para mais, mas os 11 km da Ribeira de Alferreira sob nossa gestão merecerão novas visitas e avaliações dos valores naturais presentes.

       

5 comentários:

  1. Em conversa com João Oliveira, especialista em ictiofauna do ISA, que acompanhou a visita, o João sublinhou o carater extraordinário desta ribeira, num estado quase pristino de conservação, e uma excecional qualidade de água, muito invulgar em ribeiras de baixa altitude, como é o caso.

    Em tom de brincadeira, já afirmei que temos concorrência para a entretanto já conhecida Ribeira da Foz. Podemo-nos congratular em ter recebido estes altos valores de conservação dos nossos antecessores gestores florestais, responsável por eles durante as últimas décadas. Se não fosse o cuidado tido por parte deles, nada disto existia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Embora as fotografias do Pedro dêm uma boa imagem desta ribeira, são só uma pequena amostra da sua beleza e elevado valor ecológico, sem dúvida um caso raro no sul do país. De facto, a quase ausência de perturbação antrópica significativa, associada à conectividade ao rio Tejo - afluente directo - acrescentam elevado potencial de estudo das suas características fluviais. De referir ainda a invulgar riqueza e diversidade de habitats e abrigos aquáticos lenhosos, rochosos,macrofíticos, entre outros. Como diz o Hank, a ribeira da Foz que se cuide.....

      Eliminar
  2. Vamos ver o que aparece ao nível da avifauna. O sítio tem imenso potencial! Conto lá ir fazer prospecção durante as próximas semanas.

    ResponderEliminar
  3. Agora era só reintroduzir uma famila de castores, para o local ficar perfeito :)

    ResponderEliminar
  4. Desconhecia a existência duma ribeira com características tão pristinas nessa região. Ecologicamente muito interessante, e esteticamente também!

    ResponderEliminar